No Agile Floripa 2018

Na semana passada, estive no AgileFloripa 2018 para fazer o keynote de encerramento do primeiro dia de palestras. Foi muito gratificante rever vários amigos e bater longos papos cheios de aprendizados com os grandes nomes da Agilidade nacional.

Depois de muito tempo sem nos encontrarmos, conversei longamente com o Alexandre Magno, que está de volta ao Brasil depois de uma temporada morando no exterior. Estamos nos organizando para que ele possa nos dar uma entrevista na próxima edição do Software Zen. Vamos ver como isso se desenrola, mas espero que dê certo.

Depois de conversar com o Rafael Cáceres e o Celso Martins, também fiquei empolgado com o interesse de fazermos uma segunda edição do curso “Fluxo Unificado” no Software Zen. Pelo que eles me contaram, houve uma grande evolução da primeira edição pra cá no que diz respeito à estrutura de governança que pode ser organizada em torno da unificação do fluxo em organizações. Fiquei curioso para ouvir mais e certamente vamos ter notícias em breve sobre isso aqui no Software Zen. Se você ainda não conhece o curso de Fluxo Unificado do Rafael e do Celso, entre aqui nessa página para saber dos detalhes…

O evento também foi mais uma oportunidade para conhecer novos participantes do Software Zen e rever ex-alunos que continuam por perto. É muito bom ver os eventos Ágeis sempre repletos de insaciáveis membros da nossa comunidade em busca de mais conhecimento e interação.

Alisson Vale (centro), Cleiton Mafra (o Caco, à esquerda) e Thiago Torricelly (à direita) representando alguns dos vários alunos e ex-alunos do Software Zen no evento. 
Foto: Cleiton Mafra

Dentre as palestras que assisti, destaco a apresentação do Pedro Ribeiro, do CIASC,  empresa pública responsável pelos sistemas de software do governo do estado de Santa Catarina. Ele contou a história de modernização dos processos de gestão da empresa, e o esforço envolvido na transição de pensamento sobre o tema na empresa.

A história deles mostra a transição de uma estrutura de gestão organizada em grupos funcionais setorizados (departamentos de programação, de análise, de testes, etc). Tais grupos tinham o objetivo de demonstrar conformidade a um complexo processo repleto de caixinhas e setinhas que definia o que cada um tinha que fazer. 

Depois de todo um trabalho que envolveu o convencimento da diretoria, uso de relatórios A3 para expor os problemas e a reorganização do organograma, a empresa sai do outro lado com um modelo organizado em torno de times com propósitos alinhados aos serviços que a empresa presta ao cidadão.

O case da CIASC é bem representativo da aplicação do conteúdo exposto no Software Zen. Eu convidei o Pedro e o pessoal do CIASC envolvido nesse trabalho para conversar conosco em uma futura edição do Software Zen. Espero que dê certo e possamos trazer essa história para os nossos alunos.

No final do dia, eu fiz minha palestra “Desvendando o custo de não fazer a coisa certa”.

Alisson Vale iniciando sua palestra.
Foto: Ana Soares

Falei sobre o impacto de seguir o método sem entender as nuâncias que os faz funcionar na nova realidade que o mundo contemporâneo apresenta. Especialmente no que diz respeito ao tipo de resultado que precisamos gerar e à forma pela qual nos relacionamos com nossos clientes, ou com o problemas que eles têm. 

Clique aqui para baixar os slides…

O evento de Florianópolis mostrou o quanto a cidade tem se tornado um pólo de aplicação da Agilidade em seus projetos de tecnologia. A grande quantidade de alunos do Software Zen que pertencem ao ecossistema de startups e empresas de tecnologia de Floripa sempre me chamou a atenção.

Apesar de eu já ter ido lá algumas vezes para outras palestras e eventos, o que percebi é que Florianópolis é uma das poucas cidades que pode se orgulhar de ter uma capacidade própria de produzir inovação e excelência, enquanto usa a tecnologia para resolver os problemas do mundo.