Como vencer o “pull gravitacional” que o impede de melhorar

Muitas vezes nossos projetos acabam caindo em um buraco negro onde parece que nada pode ser feito pra melhorar. Ficamos ali… mergulhados em backlogs imensos, bugs, atrasos e descontentamento geral. A sensação é que só há uma coisa a fazer: continuar trabalhando para entregar o combinado com o cliente e administrar as crises que aparecem dia sim, dia não.

Na verdade, nós até achamos que sabemos o que poderia ser feito para melhorar, mas uma força oculta nos impede de sair da confusão. Algo nos impede de dar dois passos para trás e agir. Assim como a gravidade, essa força vence qualquer tentativa de fuga.

Você pode pensar:
– hum… pelo menos aqui no meu projeto a gente não está nesse nível!

Ainda bem! Mas não se esqueça que quem está nesse estado, um dia esteve muito bem. Empolgadíssimo logo no início do projeto, pensava que tinha tudo pra dar certo. E agora está ali, preso a um pull de gravidade que o impede de sair do lugar.

Em conversa com amigos empreendedores na área de software, chegamos a conclusão de que existe um “horizonte de eventos”, onde, à partir desse ponto, não tem mais volta: o caos está instalado.

Mas o que faz as pessoas chegarem ao caos? Como eu posso me preparar para não cair nessa armadilha? E, igualmente importante, se eu estiver nessa situação, como sair dela?

Ao contrário do senso comum, não há um método, consultoria ou ferramenta mágica que podemos comprar e “instalar” no nosso ambiente de trabalho pra fazer as coisas mudarem.

Donella Meadows

Psicologicamente e politicamente nós preferimos muito mais assumir que a causa de um problema está “lá fora”, ao invés de “aqui dentro”. É quase irresistível culpar algo ou alguém, desviar a responsabilidade de nós mesmos e procurar pelo botão de controle, pelo produto, pílula ou ajuste técnico que vai fazer o problema ir embora

Donella Meadows Systems Thinking Scientist

Como os maiores especialistas de Systems Thinking nos ensinam: A mudança não está lá fora, está “aqui dentro”.

Russel Ackoff

A maioria das coisas que acontece a uma empresa é consequência do que ela faz, não do que é feito a ela

Russel Ackoff Management Science PHD

Mudar as nossas circunstâncias envolve uma mudança na forma como pensamos sobre o quê fazemos. É o fato de pensarmos diferente que nos leva a fazer diferente, e é fazendo diferente que chegamos a resultados diferentes. Não era o Einstein que dizia que insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes?

Foi com essa mensagem na cabeça que eu fui palestrar semana passada no maior evento de métodos Ágeis do país, o Agile Brazil, edição de 2015. Falei sobre o segredo da gestão eficaz para alavancar a performance da sua equipe.

Isso mesmo! Existe um segredo de gestão capaz de alavancar sua performance e te dar a força necessária para vencer esse pull gravitacional que te impede de melhorar o que você faz.

Quem divulgou esse segredo foi Peter Drucker, ainda na década de 1960. Poucos ouviram sua mensagem. Mas ela é a base para entender questões seríssimas: como aumentar a performance de trabalhadores do conhecimento; como se relacionar com seu cliente; qual a postura que você deve ter frente ao seu processo de trabalho; e várias outras.

Se você esteve no AgileBrazil 2015, pode relembrar o que ouviu acessando os slides da palestra aqui:

Se não ouviu, eu te convido a assistir uma série de 3 vídeos explicando o tema em detalhes e a complementar esse entendimento assistindo um webinário ao vivo que fiz em Agosto passado e que cuja gravação está liberada para quem está inscrito no site do Software Zen. Se você ainda não está inscrito no site, inscreva-se para ter acesso instantâneo aos 3 vídeos e a gravação completa do webinário.

Está aí o primeiro passo pra você saber como sair dessa inércia que te impede de melhorar. É essa inércia que te torna escravo, e não criador da própria realidade.

Alisson.